Rotina pode não ser tão ruim quanto você pensa

Outro dia eu perguntei para alguns amigos o que eles gostariam de ver aqui no blog e muitos me disseram, de maneiras diferentes, que tem medo de rotina, que não gostam de tudo igual todos os dias, que gostam de flexibilidade e querem ter o domínio dos seus dias.

Não sei o que todas as pessoas realmente pensam sobre rotina, mas para mim a rotina é algo bem próximo da sua definição:

ROTINA substantivo feminino 1. caminho utilizado normalmente; itinerário habitual; rotineira. 2. fig. hábito de fazer algo sempre do mesmo modo, mecanicamente; rotineira.

Rotina é o conjunto de ações e atividades que você faz constantemente. Levantar, tomar banho, tomar café e ir ao trabalho todos os dias é uma rotina. Ler as notícias, ler os emails e começar as atividades é uma rotina. Voltar para casa sempre pelo mesmo caminho, chegar em casa e fazer um carinho no pet, tirar o sapato e fazer o jantar é uma rotina. Não são coisas ruins, são sequências que te ajudam a executar o que precisa sem muito esforço de decisão, ou seja, você gasta menos energia e tempo por estar no automático.

É claro que tem casos que a pessoa vive numa rotina tão intensa que tem a sensação de perder o controle da sua própria vida – aquele caso bem famoso de acorda, toma banho, pega trânsito, trabalha, pega trânsito, dorme e é sempre assim todos os dias. Em casos como esse foi a pessoa quem deixou de tomar decisões e não a rotina que a engoliu.

Porque a rotina pode ser flexível, sim

Um dos grandes medos de rotina é ter dias engessados. O fato de ter rotina não quer dizer que você não pode decidir o que vai ter nela ou não pode furar de vez em quando. Eu vejo exatamente ao contrário. Gosto de planejar a minha de forma que se amanhã acordar de pá virada, posso trocar as atividades para outro dia e não me sentir obrigada a ter de fazer o que me irrita naquele momento. Também gosto de planejar com antecedência, assim se eu quiser furar um dia e compensar no outro não terei grande impacto.

O que eu quero dizer é que se é você quem faz sua própria agenda, não centralize todo o peso do seu trabalho em um único dia. Deixe os dias leves, planeje atividades com antecedência para você poder remanejar se necessário, distribua as atividades de forma que tenha um fluxo parecido durante o mês mas também possa mudar conforme a dança.

Ter uma rotina bem distribuída não significa que você tem que se sacrificar todos os dias, mas sim que você tem total controle dos seus dias e pode alterar durante a semana. Você pode distribuir todas as suas atividades durante os cinco dias úteis e num dia que levantou extremamente animado, adiantar tarefas de dois dias. O sentimento de adiantar atividades não é muito melhor do que o de atrasar?

Como eu faço a minha rotina

Quem opta por home office sabe como pode ser desafiador, mesmo para quem está acostumado. E é por isso que eu prefiro adaptar minha rotina mensalmente. Todo final de mês analiso como foi o mês anterior, o que eu gostaria de remover da minha rotina e o que eu gostaria de incluir.

Pode dar certo, pode não dar. Tudo depende de como você encara cada atividade no dia a dia, se vai deixar aquilo fazer realmente parte da sua rotina e se vai precisar de ajustes de horários. Por exemplo, podemos querer o hábito da leitura uma hora antes de dormir, mas simplesmente pegamos no sono antes de terminar a primeira página, então talvez não seja o melhor horário de leitura, às vezes basta tentar um pouco mais cedo ou em outro horário do dia.

Ferramenta que uso no planejamento da minha rotina

Gosto de usar o Google Calendar como ferramenta de gerenciamento da minha rotina. Listo tudo o que gostaria de adicionar, o que não está dando certo e prefiro tirar e o que gostaria de manter. Aplico tudo lá no Google Calendar com os blocos de horários que facilita muito na visualização do dia e semana. Aqui no blog já falei sobre isso em alguns posts como o Calendário: organizando sua rotina, Como otimizar sua rotina e os 5 motivos para usar o Google Calendar. É uma maneira fácil de criar e fazer a manutenção.

Como faço manutenção da rotina

Todos os dias eu mudo as cores dos eventos que estavam na agenda: verde para os que aconteceram e vermelho para os que não. Também atualizo o horário que realmente aconteceu. Dessa maneira consigo analisar e pesar o que fica, o que precisa de modificação e o que caí no próximo mês.

No final do mês analiso o todo me perguntando: O que deu certo? O que não deu? O que precisa de ajuste? O que estou me forçando a fazer que nem faz tanto sentido pra mim e por isso não dá certo? O que está faltando e gostaria de tentar? As respostas me ajudam a pesar o que fica, o que sai, o que vale a pena tentar de novo, o que faltou um pouco de persistência e então crio um novo planejamento para o próximo mês.

Rotina é ter controle do que você quer e não quer fazer, é saber o que vai acontecer na sua semana e conseguir otimizar seu tempo para fazer outras atividades – como uma maratona no Netflix. É possível fazer da rotina sua aliada e, ao contrário do que muitos pensam, fazer com que ela seja responsável pela flexibilidade que você tanto deseja – principalmente se você trabalha home office ou é empreendedor.

Use e abuse da sua rotina e me conta como foi aqui nos comentários. :)

🖤 Elemento utilizado na imagem destaque é autoria de Roundicons e publicado pelo Flaticon.

✓ publicado em 19 de outubro de 2016 por Bruna Diniz