6 passos para fazer o que precisa ser feito

A gente sempre acha que no fim das contas não vai dar tempo, não é mesmo? Às vezes eu também acho. Mesmo achando que não terá tempo suficiente, sei que se me organizar vou conseguir. Mas não é todo mundo que consegue ver e acreditar que a organização pode mesmo ajudar. Por isso trouxe uma receita que funcionou comigo recentemente para você fazer o que precisa ser feito.

1. O Problema

O meu problema era terminar meu e-book (logo você vai poder ver, aguenta aí! :D) dentro do prazo combinado.

Já aconteceu com você de ter uma atividade importante com prazo, aí você tenta organizar toda a sua agenda voltada para essa atividade, mas parece que o mundo conspira contra? Parece que todo mundo lembra de você, aparecem diversos compromissos que não podem ser adiados, atividades que precisam ser resolvidas pra ontem e tanta coisa que parece te deixar mais longe do seu objetivo principal? Pois bem, isso aconteceu comigo nessas últimas semanas. Aconteceu de tudo. Só o que eu me lembro era de pensar: então vou reunir todas essas coisas e fazer nessa semana, para ter a próxima semana exclusiva pro meu projeto. Mas não parecia estar dando tão certo quanto eu imaginava. E é assim mesmo.

Então qual é, de fato, o problema que você precisa resolver? Não vai adiantar você fazer uma lista gigantesca e querer fazer tudo de uma vez. Essa receita vai funcionar para um objetivo em foco. Escolha um por vez.

2. Planejando o dia

Na última sexta não tinha como, eu precisava finalizar. Na quinta eu defini que o término da produção seria na sexta, a revisão seria no sábado, a diagramação seria no domingo e segunda apenas uma leve revisão. Bom, não saiu exatamente como eu planejava, mas quase lá!

Acordei cedo na sexta e cancelei todos os meus compromissos. Também enviei uma mensagem para minha irmã pedindo para ela revisar o texto no sábado – incluir uma pessoa no processo pode ser um grande incentivo, já que você não quer deixar ela esperando ou furar com alguém que reservou um tempo do dia especialmente para você, não é?

Limpei meu dia. Não tinha nada com o que eu precisasse me preocupar. E com você é a mesma coisa. Libere todo o seu dia, não tenha compromissos, não tenha preocupações na cabeça. Esteja livre, leve e solto.

3. Ajeitando o ambiente de trabalho

Eu gosto de espaço. Não necessariamente espaço físico, mas ter a impressão de espaço. Hoje eu compartilho a mesa do escritório com o meu marido, ou seja, são duas cadeiras, dois computadores, cabos e mais cabos, canecas de canetas e post-its, agendas, cadernos e tanta coisa que ocupa muito espaço visual. Então depois de um bom café da manhã, tirei tudo da mesa de trabalho. Tudo mesmo. Devolvi somente o que eu precisaria: o meu computador, o meu mouse e o meu copo de água. Deixei tudo no centro da mesa e mantive só a minha cadeira. Pronto, tinha espaço e nenhuma distração.

Pode parecer que não, mas a gente se distrai muito fácil. Embora sejam coisas que vemos no dia a dia, no momento em que estamos cansados ou temos dificuldade de resolver alguma atividade, qualquer coisinha nos distrai. Sei que temos muitas coisas de decoração e isso nos faz bem, mas em certos momentos precisamos de uma pausa. Limpe seu cantinho, tire tudo que esteja ao seu redor, remova toda a poluição visual – quando terminar seu projeto do dia, você devolve tudo no lugar, sem problemas! :)

4. Se isolando do mundo

Embora as pessoas que conversam diariamente comigo já tenham entendido que estou trabalhando mesmo estando em casa, embora eu não tenha notificações no celular, as mensagens continuam chegando. Ainda que eu não precisasse responder, não queria nenhuma preocupação na minha cabeça.

Avisei as pessoas mais importantes e as que tenho contato diariamente: Ei, hoje estarei completamente offline para terminar meu e-book. Se você me enviar alguma mensagem, te respondo no final do dia, tá? :) – O suficiente para a pessoa não te incomodar e saber que está tudo bem.

É um passo importante para você focar completamente. Desligue as notificações, deixe a tela do celular virada pra baixo para não correr o risco de ver algo que te chame atenção, feche todos os programas do computador que apitam, avise as pessoas que hoje você está off e se isole mesmo.

5. Escolhendo a música certa

Ao menos para mim, isso não é tão simples. Às vezes as músicas simplesmente não encaixam. Eu preciso de músicas que virem barulho – sabe quando você tá ouvindo a música, mas não está dando a menor atenção pra ela? Então, é quando ela vira barulho.

Tentei a playlist do Yoda que normalmente escuto para escrever, mas não rolou porque estava muito calma. Tentei a playlist de Jazz do Starbucks, mas não estava ornando. Embora eu prefira não ouvir os álbuns que normalmente escuto, coloquei um álbum do Guns n’ Roses e funcionou. O próximo foi um do Iron Maiden, quase não deu certo. Achando que estava escolhendo bem, fui de Avantasia. Aí desandou tudo! Comecei a cantar igual uma maluca. Na terceira música me dei conta do que estava acontecendo, então voltei a ouvir o Guns.

Entende onde quero chegar? Às vezes aquela música que normalmente escuta em produção não encaixa no seu dia, às vezes aquela música que você ama vai te deixar tão alegre que você desfoca, mas aquela música que também gosta muito pode virar o tão querido barulho de fundo. O jeito é testar: a música não pode te incomodar e nem tirar seu foco.

6. Produzindo o que precisa ser produzido

É muito difícil quando precisamos produzir mas estamos com aquele sentimento que não dará tempo. O único jeito de dar tempo é produzir. Depois de ter feito toda essa preparação, optei por um método que não uso há um bom tempo: Pomodoro.

A técnica Pomodoro consiste em você trabalhar por 25 minutos, descansar por 5. Depois de 3 vezes dessa repetição o intervalo é de 30 minutos. Após o intervalo, repete tudo de novo.

E foi assim que fiz. Ativei o timer do Pomodoro e comecei a digitar. Não saiu tanta coisa, mas o intervalo dos 5 minutos tava aí. Dei uma navegada no Facebook e logo o Pomodoro apitou, então voltei a digitar. No terceiro Pomodoro eu já estava digitando freneticamente e não queria mais saber de intervalo. Confesso que pulei alguns, mas a maioria eu realmente pausei tudo – incluindo a música, então levantava para esticar as pernas, navegava no Instagram, dava uma olhada na janela e logo acabava os 5min. Em certo ponto eu já estava esperando a música pausar e voltar junto com o Pomodoro de tão modo automático que eu estava.

O Pomodoro é uma boa maneira para você tentar focar em uma tarefa longa. Mas não vale burlar, hein? É hora de trabalhar, então trabalhe. É hora de intervalo, então faça uma pausa. Respeite os momentos e vai ver como a coisa flui de verdade.

O Resultado

Tudo isso aí foi a minha sexta e também a minha segunda, porque eu repeti a dose. Imaginei que segunda já teria tudo pronto, mas a verdade é que domingo eu não consegui produzir tanto quanto gostaria. Sexta e segunda foram dias de muito trabalho estruturado, muito resultado no final do dia e uma sensação de fiz o que precisava ser feito, sabe?

Se estiver precisando, teste aí o meu jeitinho de produção e depois me conta se funcionou, se precisou ajustar algum detalhe, se adicionou o seu próprio jeitinho em alguma fase. Mas não deixa de me contar como foi o seu resultado, tá? :)

🖤 Elemento utilizado na imagem destaque é do Flaticon. :)

✓ publicado em 31 de agosto de 2016 por Bruna Diniz